Filosofia e Natureza

Em Filosofia, uma das concepções e interpretações mais antigas é a de Natureza “como princípio de vida e de movimento de todas as coisas existentes. (…) ‘Permitir a ação da Natureza’; ‘Entregar-se à Natureza’; ‘Seguir a Natureza’ e assim por diante são expressões sugeridas pelo conceito de que a Natureza é um princípio de vida que cuida bem dos seres em que se manifesta” (Dicionário de Filosofia, NIcola Abbagnano, Martins Fontes, 2007, p. 814).

Aproveitando o ensejo do “Dia da Árvore”, um dos símbolos da Natureza, e para que não nos esqueçamos, poderíamos reforçar a interpretação de que “a Natureza cuida bem dos seres em que se manifesta”. Vale nos questionarmos se nós, animais da espécie humana, nos consideramos seres em que a Natureza se manifesta ou se nos vemos como apartados dela.

Se nos tornamos e nos consideramos seres apartados, nosso pensamento e comportamento é e continuará sendo de dominação e devastação. Pensamento e comportamento de uma elite político-econômica-financeira que tem se embrutecido descaradamente a cada dia.

Mas ainda é tempo de não nos esquecermos que fazemos e somos parte da Natureza, se assim quisermos, se essa fora nossa vontade e determinação.

E, falando em lembrança, a memória de nossas origens é de fundamental importância para que, assim como “a Natureza cuida bem dos seres em que se manifesta”, nós também tenhamos esse mesmo cuidado para com as árvores, para com o conjunto da Natureza da qual somos e fazemos parte.

Paulo R. Grandisolli